ALEMANHA, ANO ZERO // DE ROBERTO ROSSELLINI

Seg 04 Mai 2015 | 21:30 | Auditório
CINEMA À SEGUNDA

Sinopse

O filme segue Edmund, um rapaz que vive na cidade de Berlim, destruída pela Segunda Guerra Mundial. Para ajudar a sua família, Edmund tem que pensar em várias formas de arranjar comida e sobreviver. Um dia, encontra um antigo professor e Edmund espera que ele o ajude de alguma forma. Porém, não é isso que acontece.

Ficha Técnica

Realização Roberto Rossellini

Argumento Roberto Rossellini, Carlo Lizzani, Max Colpet

Com Edmund Moeschke, Ernst Pittschau, Ingetraud Hinze

Diretor de Fotografia Robert Juillard

Música Renzo Rossellini

Ano 1948

Título Original Germania, Anno Zero

País Itália

Data de estreia em Portugal maio de 2015 – Versão restaurada

Parceria Leopardo Filmes

Festivais e Prémios

Festival de Locarno, 1948 – Grande Prémio e Melhor Argumento Original

Informações Adicionais

O meu filme preferido de Rossellini é Alemanha, Ano Zero, provavelmente porque não resisto a filmes que tomam a infância ou a criança como o seu assunto. Também é o meu preferido porque Rossellini foi o primeiro a retratar as crianças verdadeiramente no cinema, quase num estilo documental. Ele mostra-as sérias e pensativas – mais do que os adultos à sua volta – e não como pequenas figuras pitorescas. A criança em Alemanha, Ano Zero é bastante extraordinária na sua simplicidade. François Truffaut

 

Ora, se sabemos alguma coisa do que pensa e sente esta criança, não é, nunca, graças a sinais que possamos ler-lhe diretamente no rosto, nem sequer pelo seu comportamento: só o compreendemos através de conjetura […] Rossellini só podia propor-nos uma interpretação desta criança à custa de um truque, projetando na criança a sua própria explicação e fazendo com que ela a refletisse para nossa própria utilização. André Bazin, Esprit, 1949. Retomado em Qu’est-ce que le cinema? III Paris, 1961

 

O filme – que articula do modo orgânico a ficção e o documentário – marcou, em definitivo, a entrada do cinema na idade adulta, convidando-o a fazer-se testemunha ativa da história da qual faz parte, num gesto que ainda hoje ressoa nas obras de cineastas tão distinto como Godard ou Zhang Ke. Mas, além de tudo isto, ‘Alemanha…’ é, também, um poema elegíaco sobre a morte prematura de um dos filhos de Rossellini: Romano, cuja memória parece assombrar os passos do protagonista, e a quem o filme é dedicado. E, nesse cruzamento entre o histórico e o pessoal, o subjetivo e o objetivo, reside – quanto a nós – o secreto motor (e a secreta força) de um filme que está certamente entre os mais importantes da história do cinema. Vasco Batista Marques, Expresso

Duração do Espectáculo

1h15

Faixa Etária

M/12

Preçário

€4
€3 [< 25, Estudante, > 65, Grupo ≥ 10, Desempregado, Parcerias]
  • partilhar: