especial JACQUES TATI

Seg 05 Out > Seg 14 Dez 2015 | 18:30 21:30 | Auditório
ESPECIAL jacques tati > filmes em cópias digitais restauradas

Sinopse

Pela primeira vez em Portugal, a obra de Jacques Tati, em versões digitais restauradas. Dia 5 de outubro (2 sessões) e 12 de dezembro (2 sessões), a retrospetiva dedicada ao mestre francês da comédia – e a uma das mais conhecidas personagens de sempre, o desconcertante Sr. Hulot, de chapéu, cachimbo e gabardine – com a exibição de quatro longas-metragens: As Férias do Sr Hulot (1953), filme que projetou Jacques Tati para o sucesso do público e da crítica e a primeira vez que Jacques Tati se filma como Sr Hulot, filme exibido em Cannes e nomeado para os Óscares. Seguiu-se a comédia O Meu Tio (1958), uma sátira à “vida moderna”, nomeadamente a arquitetura modernista que lhe valeu o Óscar para Melhor Filme Estrangeiro; Playtime – Vida Moderna (1967), um ícone do cinema considerado pelo British Film Institute um dos 50 melhores filmes de todos os tempos e tido em conta por muitos como a obra-prima de Jacques Tati; e Trafic – Sim, Sr. Hulot (1971) sobre uma aventura nas autoestradas de França e da Bélgica.

Informações Adicionais

SEG 05 OUTUBRO 18H30

AS FÉRIAS DO SR HULOT

Hôtel de la Plage, costa atlântica, Verão: as pessoas pousam as malas calmamente. Ao longe, o som incomodativo de um carro ruidoso. Ao volante, um veraneante pouco comum. É o senhor Hulot, que empurra a porta do hotel e provoca logo uma enorme corrente de ar. É a desordem total durante a estação balnear: ténis coreográfico, um barco de pesca partido. O Sr. Hulot, para gáudio das crianças, semeia involuntariamente o terror nesta pequena sociedade de veraneantes demasiado sérios.

Este filme catapultou Jacques Tati para o sucesso do público e da crítica. Pela primeira vez, Tati encarna o seu personagem alter-ego Senhor Hulot, que seria a grande imagem de marca do realizador e ator francês. Sob um olhar irónico e satírico, Tati investe nos hábitos sociais da burguesia estabelecida.

 

SEG 05 OUTUBRO 21H30

O MEU TIO

O senhor e a senhora Arpel têm uma casa moderna num quarteirão assético. Eles têm tudo, conseguiram tudo, na casa deles é tudo novo: o jardim é novo, a casa é nova, os livros são novos. Neste universo tão confortável, tão clean, tão hich-tech, tão bem programado, o humor, os jogos e a sorte não têm lugar. E o filho Gérard aborrece-se de morte. É então que irrompe o irmão da senhora, o tio, o Sr. Hulot. Personagem inadaptada, habituada ao seu mundo caloroso, vai, para delírio do sobrinho, virar tudo de pernas para o ar.

Tati satiriza a “vida moderna”, nomeadamente a arquitetura modernista de que a casa do filme (feita a partir de uma colagem de casas reais) é caricatura. É também o filme em que Tati corta definitivamente as amarras com o naturalismo na banda sonora. Tati faz do seu Hulot uma criança grande conduzindo as mais pequenas à descoberta do mundo e dos prazeres simples.

 

SEG 14 DEZEMBRO 18H30

TRAFIC – SIM, SR HULOT

A sociedade automobilística francesa Altra quer fazer-se vingar no salão Automóvel de Amesterdão com um protótipo engenhoso de caravana desenhado pelo Sr. Hulot. Este irá acompanhar, juntamente com Maria, a jovem e mimada relações públicas da empresa, o camião onde o protótipo seguirá até Amesterdão. Nesta viagem surgem uma série de peripécias que atrasam a chegada e mudam a postura de Maria para com os que a rodeiam.

 

SEG 14 DEZEMBRO 21H30

PLAYTIME – VIDA MODERNA

Na era das “Economic Air Lines”, turistas americanos efectuam uma viagem organizada. O programa é composto pela visita de uma capital por dia. Quando chegam a Paris, apercebem-se que o aeroporto é exatamente igual àquele de onde partiram de Roma, que as ruas são como as de Hamburgo e que os candeeiros de rua se parecem estranhamente aos de Nova Iorque. Pouco a pouco encontram franceses, entre os quais, o Sr. Hulot.

Considerado pelo British Film Institute um dos 50 Melhores Filmes de Todos os Tempos e tido em conta por muitos como a obra-prima de Jacques Tati, Playtime – Vida Moderna traz-nos o inesquecível Sr Hulot numa extraordinária sátira à tecnologia industrial e à vida numa grande cidade, Paris.

Preçário

€4
€3 [< 25, Estudante, > 65, Grupo ≥ 10, Desempregado, Parcerias]
€12 [4 sessões // Especial Jacques Tati]

  • partilhar: