LEVIATÃ // DE ANDREY ZVYAGINSTEV

Seg 16 Mar 2015 | 21:30 | Auditório
CINEMA À SEGUNDA

Sinopse

Kolia mora numa pequena cidade à beira do mar de Barents, no norte da Rússia. Tem uma garagem ao lado da casa onde vive com a mulher Lylia e o filho Romka.  O Presidente da Câmara da cidade, Vadim Sergeyich, deseja apropriar-se do terreno do Kolia, da sua casa e da sua garagem. Tem projetos para aquela propriedade. Inicialmente tenta comprá-la mas Kolia não suporta a ideia de perder tudo o que possui, não apenas o terreno mas também a beleza que o rodeia desde que nasceu. É então que Vadim Sergeyich se torna mais agressivo.

Ficha Técnica

Com Alexey Serebryakov, Roman Madyanov, Vladimir Vdovichenkov, Elena Lyadova, Sergey Pokhodaev

País Rússia

Data de Estreia em Portugal 05 de março de 2015

Parceria Leopardo Filmes

Estreia em exclusivo, em Coimbra, no TAGV

Festivais e Prémios

Óscares – Nomeação Melhor Filme Estrangeiro

Festival de Cannes – Melhor Argumento

Globos de Ouro – Melhor Filme Estrangeiro

European Film Awards – Nomeação para Melhor Filme, Melhor Realizador, Melhor Argumento e Melhor Ator

Festival de Cinema de São Paulo – Prémio da Crítica Internacional, Melhor Filme

Festival Internacional de Sevilha – Prémio de Melhor Fotografia

Festival de Ghent

National Board of Review – Melhor Filme Estrangeiro

Independent Spirit Award – Melhor Filme Estrangeiro

Satellite Award – Melhor Filme Estrangeiro

Informações Adicionais

Leviatã, distinguido na competição oficial [do Festival de Cannes] com o prémio de melhor argumento, é mais um exemplo brilhante do trabalho do russo Andrey Zvyagintsev, autor que, apesar das limitações de oferta do nosso mercado, não deixa de ser um nome conhecido dos espectadores portugueses – duas das suas anteriores longas-metragens (O Regresso e Elena, respetivamente de 2003 e 2011) foram vistas nas nossa salas. […] Por um lado, Leviatã é um objeto que possui o fôlego de uma perturbante parábola moral e filosófica: o Bem e o Mal estão presentes num confronto dramático que contamina todas as formas de comportamento humano desde a esfera política até às zonas da mais radical intimidade. Por outro lado, as sugestões simbólicas nunca contrariam, antes parecem reforçar, a intensidade realista que Zvyagintsev coloca em todos os pormenores, por vezes evocando de forma muito direta e cáustica as memórias ainda muito próximas do comunismo (há mesmo uma cena de prática de tiro em que os alvos são os retratos oficiais de algumas figuras emblemáticas da história da União Soviética). João Lopes, Diário de Notícias

 

Tem tanto de beleza quanto de inquietante, a paisagem sempre em crepúsculo dos primeiros cinco minutos da obra de Andrey Zvyagintsev, nomeada a melhor filme estrangeiro, ao som ainda mais inquietante da banda sonora de Philip Glass. O mar leva e lava, mas há sempre restos à deriva, ruínas, aniquilamentos que vêm à superfície, ou então ficam enterrados na areia, a mostrar um passado que não consegue apagar. É sobre isto Leviatã, o cetáceo com ressonância bíblicas, sobre a podridão que nunca se consegue de todo remover. […] Poderíamos estar em qualquer lugar do planeta. Mas neste filme, como já no anterior Elena, está presente, não se sabe exatamente porquê, qualquer coisa na grandiosidade da paisagem, no desalento tchecoviano de uma mulher que não se entende com o enteado (nem com o marido, nem com o amante), na capacidade de beber, beber sem cair para o lado, nas Pussy Riot que aparecem na TV, ao fundo… Aqui algures se pode encontrar, mesmo destroçada, a grande alma russa de que falava Puschkin. Ana Margarida Carvalho, Visão

 

Tudo isto é envolvido com uma belíssima paisagem natural, com traços de decadência da acção humana (os barcos abandonados junto à costa é uma imagem presente desde o início) e não só, filmada com uma esplendorosa fotografia que ajuda a tornar a envolvência do espectador com Leviatã numa experiência quase pessoal. André Santos, Time Out Lisboa

 

“Obra-prima”, “belo”, “imenso”: os elogios ao novo filme de Andrey Zvyagintsev têm sido muitos e aparentemente o reconhecimento internacional deverá continuar. Depois de vencer o Prémio de Melhor Argumento no Festival de Cannes, LEVIATàconquistou há poucas semanas o Globo de Ouro de Melhor Filme Estrangeiro. 

O crítico da Time Out londrina escreveu que LEVIATàtem “todos os pormenores e a densidade de um grande romance – vasto, curioso e ousado”. O The New York Times acrescentou que o filme é “um drama belo e solene, simultaneamente íntimo e imenso.”
O cineasta turco tem uma das carreiras mais fulgurantes das últimas décadas no que toca ao cinema. Em 2003 e com a sua primeira longa-metragem O Regresso venceu o prémio máximo do Festival de Veneza, o Leão de Ouro. Na mesma edição do festival, Zvyagintsev venceu ainda o Prémio Luigi De Laurentiis (para melhor primeira obra) e o Prémio SIGNIS. O filme foi ainda nomeado para o Globo de Ouro de Melhor Filme Estrangeiro e para o César de Melhor Filme Estrangeiro, para além de ter garantido o prémio de Revelação do Ano nos European Film Awards ao cineasta russo.
Quatro anos depois, o seu segundo filme, Izgnanie foi selecionado para a Competição Oficial do Festival de Cannes, onde recebeu o prémio de Melhor Ator. A terceira longa-metragem de Zvyagintsev, Elena (2011), voltou a fazer parte da Seleção Oficial do Festival de Cannes, ao competir na secção Un Certain Regard, tendo acabado por conquistar o Prémio Especial do Júri. Na edição desse ano dos European Film Awards, Elena foi nomeado na categoria de Melhor Atriz e nos Asia Pacific Screen Awards foi reconhecido com os prémios de Melhor Realizador e Melhor Atriz. Selecionado para os Festivais de Ghent e de Moscovo, recebeu em ambos o Prémio de Melhor Filme.
Com LEVIATÃ, um retrato agre e cru da Rússia atual, Zvyagintsev esteve nomeada para os European Film Awards nas categorias de Melhor Filme, Melhor Realizador, Melhor Ator e Melhor Argumento, recebeu o Prémio de Melhor Filme no Festival de São Paulo, e foi considerado pelo National Board of Review como um dos 5 Melhores Filmes Estrangeiros do Ano. Está ainda nomeado para o Independent Spirit Award de Melhor Filme Estrangeiro e para o Satellite Award na mesma categoria. LEVIATÃ fez parte das Seleções Oficiais de vários festivais internacionais, incluindo o Festival de Sevilha e o Festival de Ghent.

Duração do Espectáculo

2h20

Faixa Etária

M/12

Preçário

€4
€3 [< 25, Estudante, > 65, Grupo ≥ 10, Desempregado, Parcerias]
  • partilhar: