MÃO MORTA // HORAS DE MATAR

Sex 06 Fev 2015 | 21:30 | Auditório
MÚSICA À SEXTA E A OUTROS DIAS DA SEMANA

Sinopse

Lento, pesado e militante. Em Pelo Meu Relógio São Horas de Matar, o novo álbum dos Mão Morta, convivem pelo menos duas vocações, omnipresentes ao longo da carreira, duradoura e influente, da banda de Braga: o realismo duro com que se pinta, a cores escuras, o Portugal contemporâneo, e a catarse a que canções de rock opressivo e selvagem invariavelmente convidam.

Ficha Técnica

Músicos Adolfo Luxúria Canibal, Rafael do Vale, Miguel Pedro, Pedro Costa, Vasco Vaz, Joana Longobardi

Técnico de Som Frente Nuno Couto

Técnico de Luz Manuel Antunes

Técnico de Backline Manuel Toga, Miguel Barata

Manager / Road-manager Rui Braga

Produção Chave do Som

Informações Adicionais

Cinco anos depois de Pesadelo em Peluche, os Mão Morta regressam com um álbum que apresentam como lento, pesado e militante. Editado a 26 de maio de 2014, Pelo Meu Relógio São Horas de Matar acompanha o percurso de um “indivíduo de classe média que vive solitário, na sua vida burguesa e confortável. Com o eclodir da crise, vê o conforto da sua vida ser posto em causa”, explica Adolfo Luxúria Canibal. “Incomodado fica ao sentir a pobreza invadir o seu quotidiano, e a pobreza dos outros que, de repente, lhe entra pelos olhos dentro. Até então solitário, autosatisfeito, isolado na sua vida burguesa, começa a sentir-se ser social e a partilhar o seu mal-estar com os outros e a partilhar do mal-estar dos outros”.

A teoria passa à prática no vídeo de Horas de Matar, o tema que encerra o álbum. Realizado por Rodrigo Areias, o teledisco mostra o bracarense de revólver em riste, alvejando várias pessoas, enquanto em pano de fundo vão passando imagens de São Bento ou do Campus da Justiça, assim como de vários governantes políticos. O vídeo gerou aceso debate, confirmando o poder dos Mão Morta de agitar as águas geralmente pacatas da música portuguesa enquanto arma de intervenção.

Os Ossos de Marcelo Caetano ou Irmão da Solidão são outras das canções de Pelo Meu Relógio…, um disco que, acompanhado por temas incontornáveis da veterana carreira dos bracarenses, promete começar a ganhar vida em palco depois do verão, num regresso que se prevê explosivo. Pelo relógio deles, são horas de voltar.

Duração do Espectáculo

1h15

Faixa Etária

M/6

Preçário

€10 [Normal]
€8 [< 25, Estudante, > 65, Grupo ≥ 10, Desempregado, Parcerias]
Comprar Bilhete
  • partilhar: