Pequenos ritos para nós mesmos. de André Rosa e Frederico Dinis

Qua 06 Dez > Sex 15 Dez 2017 | 20:00 | Colégio de São Jerónimo - Largo D. Dinis

Sinopse

O corpo como espaço desmedido e descontínuo no escancaramento das políticas que ainda se referem ao corpo, seus desejos e percepções como algo “natural”.

Neste ritual das memórias de si, o corpo é biotecnologia que reconstrói e reprograma as dicotomias, duplicidades e binarismos naturalizados.

Um pequeno rito sonoro, imagético, sensorial e corporal que convida as nossas memórias afetivas e sociais para bailarem entre vestígios e convivialidades.

Ficha Técnica

criação André Rosa e Frederico Dinis

coprodução Teatro Académico de Gil Vicente

fotografia de Frederico Dinis

performance no âmbito do Anozero’17 – Bienal de Arte Contemporânea de Coimbra

Informações Adicionais

André Rosa vive e trabalha entre Brasil e Portugal. É performer, ator, bailarino, encenador e professor de Artes Performáticas. Desenvolve o Doutoramento em Estudos Artísticos – Teatrais e Performativos – na Universidade de Coimbra, na criação de (sub)poéticas para corpxs sem pregas entre performance, pedagogia e dissidências sexuais anticoloniais. Mestre pelo Programa de Pós-Graduação em Artes Cênicas da Universidade Federal da Bahia com pesquisa na área da pedagogia da performance. Fez Licenciatura em Educação Artística (Artes Cênicas) pela Universidade Estadual Paulista, em São Paulo. Há 20 anos que trabalha com as linguagens das artes da cena e performáticas, onde integrou diversos coletivos artísticos. Recentemente, fundou o Movimento Sem Prega (Brasil/Portugal), que abrange um conjunto de pessoas e atividades de diferentes campos de investigação cultural, política e linguística, funcionando como uma estrutura laboratorial nómada em performance e pedagogia. Participou ao vivo e/ou por mediação tecnológica em diferentes festivais e mostras de artes, e recebeu diversos prémios.

 

Frederico Dinis, investigador e compositor intermédia cuja prática integra a performance, a instalação, o teatro, a fotografia, a rádio, o vídeo e o som, frequentemente desenvolvida em colaboração com outros artistas visuais, bailarinos, coreógrafos, performers, músicos e curadores. Um dos focos do seu trabalho é a reflexão constante acerca da representação de um espaço-tempo figurativo, associando narrativas sonoras e visuais que permitam rememorar ambientes locais que se ligam a horizontes mais vastos. Atualmente encontra-se a desenvolver a sua linguagem com o objetivo de promover processos audiovisuais inovadores e explorar as relações e diálogos entre som e imagem no Doutoramento em Estudos Artísticos da Universidade de Coimbra, especialidade de Estudos Teatrais e Performativos. É licenciado em Engenharia Informática pela Universidade de Coimbra. É investigador colaborador do CEIS20 – Centro de Estudos Interdisciplinares do Século XX da Universidade de Coimbra. Como investigador, os seus projetos de investigação-criação centram-se em lugares específicos, explorando ao longo do processo de investigação e de criação a intersecção entre a arte, a tecnologia e o espaço, procurando refletir sobre a importância do contexto local (site-specific) e do sentido de lugar (sense of place), tendo como ponto de partida a interação com os lugares e a apropriação de memórias e arquivos. Apresentou resultados da sua investigação-criação em diversos espaços e em conferências, simpósios e eventos científicos. É autor de diversos artigos científicos (peer-reviewed) sobre temáticas ligadas às artes digitais, performances audiovisuais, multimédia e novos media.

Duração do Espectáculo

1h00

Faixa Etária

para todos os públicos

Preçário

Entrada livre
  • partilhar: