Universidade Global/Teatro Global

Sex 18 Set > Sáb 19 Dez 2015 | |

Sinopse

A Temporada de 2015-2016 inicia-se desta vez com uma proposta a quatro meses, um período mais amplo e que traduz um caminho de consolidação na programação do Teatro Académico de Gil Vicente, espaço que pretendemos manter em sintonia com a criação contemporânea e com o enfoque transdisciplinar que o vem definindo. Desejamos tornar mais evidente o papel do Centro de Dramaturgia Contemporânea como uma plataforma colaborativa capaz de protagonizar a (nova) relação entre as artes performativas e o ensino artístico na Universidade de Coimbra. Esta unidade promoverá assim de modo crescente atividades de criação, reflexão e edição no âmbito da dramaturgia, em associação com parceiros nacionais e internacionais, explorando alternativas complementares de financiamento.

54 anos após a sua inauguração em 1961, cumprida uma parte importante do plano de obras em curso, com o apoio inestimável do Banco Santander e o empenho da Universidade de Coimbra, as 109 sessões públicas dos próximos quatro meses procuram cumprir o programa que designamos como Universidade Global/Teatro Global, incluindo eventos em diversas escalas, disciplinas e mobilizando diversas gerações de criadores. Estes 109 encontros com o público geram outras tantas oportunidades para o contacto com encenadores, atores, realizadores e músicos que, no seu conjunto, instalam no palco do Teatro Académico de Gil Vicente um agrupamento instigante de criadores e de linguagens artísticas. Entre estes contam-se nomes como Ricardo Pais, Jacinto Lucas Pires, Patrícia Portela, José Valente, Camané, Ingmar Bergman, Jacques Tati em cópias digitais restauradas, Carlos Saboga em estreia nacional; coletivos como mala voadora, Third Angel, Marionet, Brigada Victor Jara, Pensão Flor, Mancines, Companhia de Dança Contemporânea de Angola; projetos como No(s) Révolutions(s), Mostra Espanha, Caminhos do Cinema Português, 16ª Festa do Cinema Francês.

A internacionalização mantém-se igualmente como um objetivo a perseguir, aproveitando percursos e itinerâncias aos quais podemos responder. O curso de formação avançada École des Maîtres é porventura o exemplo mais evidente deste esforço, inscrevendo Coimbra num circuito por cinco países, nesta viagem com a orientação de Ivica Buljan, encenador croata que ousou trabalhar em palco, com duas dezenas de jovens e talentosos atores, o livro maior do célebre economista Thomas Piketty intitulado O Capital.

O projeto Conceitos e Dispositivos de Criação em Artes Performativas é ilustrativo quanto às apostas do Teatro Académico de Gil Vicente para o futuro imediato. O Colóquio Internacional que decorre de 26 a 28 de novembro juntará investigadores nacionais e internacionais, em diálogo conjunto sobre a (auto)reflexividade crescente na criação contemporânea. Mas o evento será também acompanhado pela exibição de dois espetáculos tematicamente associados, cruzando assim teatro e academia, espaços de reflexão e espaços de criação.

Serão promovidas duas novas rubricas na atual temporada. Já em outubro inicia-se o Clube de Leitura Teatral, uma iniciativa que congrega TAGV e A Escola da Noite, projeto de periodicidade mensal, coordenado por Ricardo Correia e por António Augusto Barros, tendo como objetivo a divulgação, o conhecimento e a promoção da dramaturgia. O Clube de Leitura Teatral propõe-se como uma iniciativa aberta à participação de coletivos, associações e interessados na escrita para teatro. Em janeiro voltaremos, por outro lado, com um programa mensal sugestivamente intitulado Performance, Agora.

Em suma, não faltará pretexto para trocar o sofá da sua sala pelas cadeiras em renovação no Teatro Académico de Gil Vicente.

 

 

Ficha Técnica

Fotografia João Armando Ribeiro

Comprar Bilhete
  • partilhar: